Em continuidade aos posts sobre minha viagem à Europa, destaco minha incursão ao universo artístico de Florença, na Itália. Desde o século XVI, a cidade se tornou referência para um movimento, que no futuro ganharia o nome de Renascimento. Enquanto a arquitetura buscava inspiração em modelos clássicos, a arte renascentista apostava em uma nova compreensão da perspectiva, da religião e da anatomia com o auxílio de gênios como Leonardo da Vinci, Michelângelo, Donatello e Botticelli.

Para constatar a efervescência deste período para a erudição e as artes, vale conferir a Galeria Uffizi, construída entre 1560 e 1580, para abrigar o escritório do duque Cosimo I. Em 1581, os herdeiros de Cosimo usaram o espaço para exibir o acervo da família Médici. Eis que surge a galeria de arte mais antiga do mundo. Logo no início desta sensível expedição pela cultura florentina, se descobre um corredor com exposição permanente de esculturas gregas e romanas. Já as pinturas, ponto alto da Uffizi, estão dispostas em salas separadas por ordem cronológica; o que permite aferir o desenvolvimento da arte italiana a partir do estilo gótico ao auge do renascimento.

Pode-se notar em algumas obras, o tom racionalista e uma nova atitude diante da espiritualidade, tão evidente no estilo gótico.  Determinadas obras mostram como o homem passa a se interessar pelo mundo material e suas belezas naturais. O domínio de técnicas como a geometria e a perspectiva também estão incutidas em obras que se arriscam a criar a ilusão de espaço e de profundidade pela primeira vez. Destas obras, é imperdoável não apreciar Botticelli em O nascimento de Vênus (1485) e em Primavera (1480). Na primeira obra, Botticelli troca a Virgem pela Deusa do amor e na segunda, deixa a pintura religiosa cristã de lado, ao retratar o ritual pagão da primavera.

Nas ruas de Florença, é possível constatar a admiração por Botticelli em pinturas feitas por artistas de rua no asfalto.

Retratos renascentistas preocupados em retratar com fidelidade seus modelos também podem ser apreciados na Uffizi. Bons exemplos são o Duque e a Duquesa de Urbino (1460). Observe como o nariz quebrado do Duque não foi perdoado por Piero della Francesca.

A Sagrada família (1507) de Michelângelo também rouba a cena com o uso de cores vibrantes e poses incomuns para pinturas religiosas de então. Em meu próximo post, veremos como Michelângelo se tornou uma das maiores expressões do renascimento com a Capela Sistina.

Por fim, destaco as obras de Caravaggio, entre elas: Baco (1589) abaixo, Sacrifício de Isaac (1590) e Medusa (1596-1598).

Para completar o dia, nada melhor do que sair da galeria e seguir até o final da rua para apreciar o lindo pôr-do-sol na Ponte del Vecchio, construída em 1345 e a única a escapar ilesa da Segunda Guerra Mundial. Com sorte, é possível encontrar músicos de rua distraindo turistas neste cenário para lá de especial.

Inté!

9 respostas para “Renascimento em Florença”

  1. Cláudia disse:

    Esse lugar é realmente inspirador, você respira arte por onde anda. Logo ao chegar a esta cidade, a achei feia e sem graça, mas ao começar a andar e descobri-la, não tem igual. O meu sonho de consumo seria fazer um curso de História da Arte neste lugar, que ainda realizarei com certeza. Sou apaixonada por esta cidade.

  2. Marcelo Paes de Barros disse:

    Olá Regina! Excelente matéria. Obrigado por reavivar minhas memórias: lembro que passei umas 5h desfrutando daquelas obras na Galleria degli Uffizi, das quais 15 min em frente a cada uma das obras de Botticelli… Sou particular apreciador das telas de Caravaggio: o impacto cru do plano principal vs. a soturnidade do plano de fundo. A arte explícita aos olhos…

  3. danilo cardoso disse:

    Quando se faz menção do renascimento não podemos nos esquecer que neste período nasceu o antropocentrismo onde o homem é o centro de toda existência essa época para mim é uma das épocas mais fascinantes da história da humanidade pelo fato da revoluções e reivindicações através de uma nova visão e perspectiva de mundo uma espécie de “guerra ideológica”, através da arte dos artistas renascentistas como: Da Vinci, Botticelli, Caravaggio, Michelângelo entre outros me deixa expressa essa idéia mais apaixonado pela história da humanidade

  4. cristina disse:

    É incrivel ,louco,não é deste mundo ,o q alguns artistas conseguiram expressar,falar ,gritar,c suas obras!! É maravilhoso esse mundo !! É interessante saber q esses seres HUMANOS descreveram parte da história através de arte,é apaixonante !!! Adoro !!Parabens pela matéria !!

  5. Marcela disse:

    É incrível as cores vivas utilizadas nas obras de arte!
    Mais emocionante ainda é poder estar presente nesses lugares seculares.
    Uma pena que o Brasil tem apenas 500 anos!

  6. Vivian Assis disse:

    Regina você é uma mulher de sorte por passear na Itália parabéns, um dia quero conhecer cada pedacinho dessa terra abençoada e de pessoas maravilhosas e de grandes talentos artísticos.

Deixe uma resposta

ASSINE O FEED RSS

Acompanhe nosso blog pelo feed

O BLOG

O objetivo central do veículo é estimular o senso crítico e o poder de reflexão de seus leitores sobre temas que transitam entre conhecimentos científico e de caráter geral.

ASSINE NOSSA NEWSLETTER

TAGS