COÁGULO URBANO

29/abr/2011

Parabéns São Paulo! Há cerca de uma semana conseguimos a incrível e invejável marca de 7 milhões de carros emplacados e, portanto, habilitados a circular pelas ruas de nossa querida cidade. Deste total, afirma o Detran-SP, temos cerca de 5,2 milhões de utilitários perfazendo uma média de 0,25 utilitários/pessoa. Praticamente 1/3 de todos os veículos registrados em capitais brasileiras. Captou? Uma em cada 4 pessoas possui um carro nesta cidade. Contudo, não se engane: nesta estatística constam apenas os veículos com placa registrada em São Paulo! Acrescente ao caos diário os veículos também emplacados em outros municípios.

Mesmo que estes escores não se comparem à mais-que-caótica Los Angeles (1,8 utilitários/pessoa), estes números perturbadores realmente corroem o bem-estar de todos nós, todos os dias, no ir-e-vir de nossas atividades diárias. Caso você não perceba, os paulistanos gastam, em média, 2,4 horas/dia presos no trânsito! Sabe o que significa isso? Significa que: (1) você acorda mais cedo por causa do trânsito; (2) você, portanto, dorme menos; (3) você fica mais cansado; (4) você produz menos em seu emprego; (5) você inala mais poluentes; (6) você tem menos tempo para seu lazer; (7) você brinca menos com seu(s) filho(s); (8) você tem menos tempo para seu (sua) parceiro(a) (sim, é isso mesmo que você está pensando!) e, como consequência de todos estes fatores, (8) você VAI MORRER mais cedo! Inúmeros artigos científicos correlacionam o estresse urbano com altos níveis de cortisol (chamado de hormônio do estresse), riscos de cardiopatias, pressão alta, e todos os malefícios associados.

Os problemas de transporte público em São Paulo são tão irracionais que, como postado acima, afetam a própria produtividade e força de trabalho da cidade. Não entendo como os governantes não atentam para este fato. Imagine se as ruas e avenidas de São Paulo funcionassem como o sistema circulatório humano. O crescimento econômico depende do fluxo normal das pessoas, assim como os órgãos do corpo humano e as próprias células do indivíduo dependem do eficiente suprimento de oxigênio e nutrientes. Toda vez que há um alagamento, um caminhão tombado ou um motoqueiro acidentado, o fluxo das pessoas diminui e há prejuízo. É um verdadeiro coágulo urbano.

14 respostas para “COÁGULO URBANO”

  1. Juliana disse:

    São Paulo caótico mesmo. : /
    Tenho que infelizmente comentar que não vejo a hora de voltar pra minha cidade, no interior. Enfim…

    • Marcelo Barros disse:

      Olá Juliana
      Eu também tenho planos futuros para abandonar a megalópole de SP para outros sítios mais tranquilos… baixar os níveis de cortisol! UM abraço

  2. Renato disse:

    Parabéns Professor Marcelo!

    Realmente o transito está caótico, eu levo em torno de 1 hora 35 minutos todos os dias para ir a universidade e 45 minutos para voltar. E o meu trajeto não ultrapassaria 20 minutos sem transito. No meu caso eu saio do trabalho as 18 horas e 30 minutos, assim sendo eu chego sempre atrasado :^(
    Entretanto alguns professores entendem que isso não passa de meras desculpas de um aluno observador. Não sabem que alguns alunos utilizam o transporte público (por incrível que pareça) para se deslocar a universidade.

    O transito de São Paulo não é o transito de Nova York ou até mesmo de Londres mas é igualmente caótico, aproveitando o gancho, conte-nos professor o que tem visto nos transito pelo países que passou.

  3. Marilda Ortega disse:

    Além desse trânsito insuportável, que pode acontecer a qualquer hora do dia, temos a colobaração dos motoristas curiosos que gostam de ficar olhando quando acontece algum acidente. Passam devagar intensificando o “coágulo” só para dar uma espiadinha…É demais, não!

    • Marcelo Barros disse:

      Oi Marilda, você tem razão. Chamos estes indivísuos de “vampiros do asfalto”. Sedentos por sangue e massa encefálica esfarelada no asfalto, não se importam em perder (preciosos) minutos/horas de suas vidas simplesmente para se deliciarem com uma aula de anatomia à céu aberto e, assim, ter algo interessante para comentar em casa ou no bar mais à noite. É o recheio para uma vida vazia…

  4. Marcelo Barros disse:

    Olá Renato!
    Fico feliz que você se tornou um seguidor do nosso BLOG. Sempre será bem-vindo!
    Percebo, nas entrelinhas de seu texto, que realmente aquela matéria do Perfil dos Estudantes te incomodou, não? Gostaria de pedir que você releia aquela matéria. Qualquer generalização pode imbutir em erros, eu sei disso. Acredito piamente nas suas informações sobre as dificuldades de deslocamento até a Universidade. Contudo, mesmo que você se atrase todos os dias, não é isso que te caracterizaria como um aluno Observador, concorda? Na verdade, duvido até que você seja, pelo simples fato de ter se manifestado através deste veículo, demonstrando, assim, engajamento! Por outro lado, muitos alunos Observadores (não generalize aqui, novamente) se utilizam destes mesmos argumentos para justificar o descumprimento de obrigações/tarefas acadêmicas. Percebe? Há uma tendência para tal, mas não necessariamente todos se comportam assim.
    Por favor, me desculpe se pareceu petulância ou snob de minha parte comentar sobre outros países. Quis apenas ilustrar meus argumentos em um espectro mais amplo, além das paredes da Universidade. Também acredito que uma visão muito limitrofe é a principal causadora do conformismo que impera em nosso País!
    Pô, Renato, comente sobre minha matéria do futebol para não parecer que somos dois carrancudos de cada lado do monitor! Um abraço

  5. Ricardo Miron disse:

    Sim São Paulo é uma cidade com o transito caótico, os mais afortunados ficam revoltados com os mais podres comprando carros, enfim lutando ter uma vida mais confortavel, quem reclama do transito acha que os cidadaos devem utilizar com mais frequência o transporte urbano, mas ele mesmo acha que não se encaixa neste quadro por ser especial e ter muitas prioridades que o outro não tem e não pode usar o transporte publico por diversas desculpas e prioridaedes que outros não tem, só o outro que deve colaborar!! Vou falar de mim agora, a vida toda me locomove de trasporte publico e sempre morei no suburbio bem afastado, pegar só um onibus, só um metrô é uma coisa pegue 2 onibus e um metro como sempre fiz que vc vai ver o que é bom pra tosse, tenho 2 empregos noturnos de 12 horas cada, saio de um dos meus empregos no ibirapuera as 7:00 da manhâ e entro na faculdades as 8:00 em são miguel, domoro 30 minutos para chegar na faculdade, vou de carro?não vou de elicoptero?vou de transporte publico?piorou… vou de motocicleta, só assim consigo dar um rumo em minha rotina diária.

    • Marcelo Barros disse:

      Olá Ricardo. Entendo seu dilema. Utópico, fico sonhando com uma proposta viável de ciclovias, onde as pessoas poderiam circular com segurança para chegar aos seus trabalhos, como ocorre em Pequim, Amsterdam, etc. Concordo que estas cidades não têm as dimensões de SP, mas para rotas menores, este sistema já seria viável. Abraço

  6. Joice disse:

    Pessoal, passei 4 semanas em São Paulo e as coisas em outras cidades não estão diferentes. O problema é proporcional. Em Belo Horizonte e Porto Alegre alguns trechos estão um completo caos. Transporte Urbano como Metrô é a solução.

    Bjs.
    Joice.
    http://www.rsurbano.com.br

    • Marcelo Barros disse:

      Joice, você está 100% certa! Como pode uma cidade como São Paulo não possuir metrô/trem diretamente acessível aos aeroportos? Possuímos, aqui em SP, uma das menores quilometragens de linhas férreas por dimensão urbana ou por população urbana (em relação a várias cidades no mundo). Inaceitável…

  7. Julio disse:

    Diante de tais números, vem a minha lembrança os tempos em que se falava e se tentava evitar as temidas “horas do rush”. Hoje em dia, qualquer que seja o horário, o trãnsito nas grandes cidades, e não só em SP, é aterrorizante. Sou de Curitiba, cidade tida e avida como “Capital Ecológica”, e posso afirmar que o trânsito aqui está um caos. O sistema público de transporte, tão elogiado por muitos, já começa a sucunbir diante da demanda.

    • Marcelo Barros disse:

      Oi Júlio. Obrigado por seus comentários. Realmente, desconhecia esse problema na (mais que) atraente Curitiba. Para falar a verdade, já tinha planos futuros para me mudar para aí. Preciso revisar minhas táticas de sobrevivência. Abraço

  8. Cris disse:

    Trânsito caótico??? Caso mudanças efetivas não sejam feitas, testemunharemos um verdadeiro inferno em 2014. E se antes Bangladesh era satirizada pelo seu trânsito, certamente São Paulo será o próximo alvo…

    • Marcelo Barros disse:

      Olá Cris. Na verdade, acho que a “piada” do trânsito paulistano só é hilária para o respeitável público das outras cidades. Os palhaços engraçados deste espetáculo somos nós, infelizmente…

Deixe uma resposta

ASSINE O FEED RSS

Acompanhe nosso blog pelo feed

O BLOG

O objetivo central do veículo é estimular o senso crítico e o poder de reflexão de seus leitores sobre temas que transitam entre conhecimentos científico e de caráter geral.

ASSINE NOSSA NEWSLETTER

TAGS