Por Carlos Augusto B. Andrade

Uma vez ouvi falar que surgiria alguém que consumiria nosso tempo e nossa humanidade. Todo mundo achava que seria uma pessoa. A pergunta é: será que alguém conseguiria controlar todas as pessoas eficientemente?

O mundo mudou e com ele as pessoas. O planeta manteve o mesmo movimento de rotação e translação, mas parece que o mundo real em que vivemos começou a girar com maior velocidade, exigindo das pessoas o mesmo. Poderíamos dar uma nova nomenclatura a esse fenômeno do movimento na modernidade, usando um neologismo por empréstimo e formando uma palavra composta – flashação, uma ação em estado de velocidade além da natural.

Nesse mundo, tudo se tornou mais rápido graças às invenções deste a Revolução Industrial. Hoje, a analogia do humano com as máquinas passou da virtualidade para a realidade no movimento da flashação.

Há algum tempo, víamos cenas como essas:

foto 1

Assim, de forma natural, havia tempo para pensar, refletir e tomar decisões. A rapidez da flashação foi tirando parte do fôlego das pessoas e hoje sinto que elas perderam o controle para algumas coisas, principalmente para seu tempo e vida. Pensando em apenas um instrumento tecnológico que envolveu a vida no período da flashação, percebemos isso com muita clareza.

As cenas a seguir diferem das anteriores para saber como a humanidade está caminhando com esse novo brinquedo da era da conexão desenfreada – sua majestade o celular:

2dA

O celular que deveria estar ajudando nos processos de comunicação humana, de certa forma, está robotizando as pessoas e levando-as à dependência física e química, pois se perde tanto tempo com ele que todos estão sujeitos a uma depressão generalizada, encaminhando-os a uma sociopatia, ou seja, uma psicopatologia que provoca um comportamento impulsivohostil e antissocial.

É preciso evoluir e sair dessa neurose que está levando muita gente à dependência.

tecnologia

O tempo perdido tem levado à insônia e à insatisfação, pois tem tirado a concentração das atividades que precisam ser realizadas efetivamente, inclusive um lazer mais eficaz e eficiente. O sono vai embora e muitos problemas surgem com esse perigo.

tablet

Hoje mesmo dei um basta nessa situação, fiz com que meu celular voltasse a sua condição de instrumento, removi treze “Apps”. Não quero que pensem que é um texto utópico e sem propósito. Nenhum de nós conseguiria viver sem o celular – é fato. Ele está em contexto importante. Cabe-nos, no entanto, saber fazer uso dele. Resolvi dar mais tempo para conversar, estudar, escrever, olhar nos olhos, ser e sentir mais.

Não sejamos controlados… Estejamos no controle é o alerta.

Abraços mil…

20 respostas para “Não sejamos controlados… perigos da flashação!”

  1. Larissa disse:

    Realmente, isto é um perigo mesmo. Hoje muitos apps acabam otimizando alguns pontos do nosso dia a dia, mas mesmo nesse caso é preciso ter limite. E o mais engraçado é que vendo essa comparação de fotos antigas com novas, antigamente (sem o celular) parece ser muito mais divertido.

    • Carlos Andrade disse:

      É isso mesmo Larissa, infelizmente as pessoas estão perdendo o controle. É refletir sobre isso, para que possamos manter nossa humanidade em dia, rs. Abraços

  2. Bruna Veras disse:

    Realmente as pessoas estão muito dependentes da tecnologia. Esses dias saí de um local que estavam realizando uma prova e lacraram os celulares das pessoas. No final da prova, a primeira coisa que fizeram foi rasgar o saquinho lacrado e ligar o celular, pareciam que estavam em abstinência.

  3. Eliene disse:

    Mas Larissa realmente era muito mais divertido sentíamos melhor o calor humano,as amizades você sentia que eram verdadeiras,era tudo olho no olho,troca de carinho e o toque que é o aperto de mão,o abraço que hoje estão perdendo o espaço para o celular.Muitas famílias estão sendo desfeitas através do mal uso da tecnologia.

  4. Carlos Andrade disse:

    É isso Larissa. As pessoas não estão observando os limites.

    Abraços e grato pela comentário.

    • Rosilene disse:

      Como será a comunicação daqui alguns anos se o uso do celular já nos tornou tão robotizados em tão pouco tempo? Cabe a cada um ter discernimento e impor limites ao uso deste aparelho e seus aplicativos.

  5. Vitor Trabalho disse:

    Infelizmente a situação está difícil. Hoje em dia é bastante trabalhoso ter uma conversa sadia com alguem. As pessoas estão muito dependentes dos celulares.

  6. Dayanne Decresci disse:

    Achei que a imagem, do celular sendo “injetado” foi uma “sacada” ótima de quem criou a foto…uma imagem,REALMENTE,fala mais do que palavras!!!
    Eu já avisei meus familiares,colegas e afins: se estiver falando comigo e mechendo no celular, paro a conversa na hora.
    E detalhe:ao invés de haver uma reflexão, sobre o quanto é desagradável falar e não ser ouvido,sou vista como a “estressadinha”, vê se pode?O povo está alienado, esses videos que mostram situações que algo acontece (geralmemte algo ruim,rs) porque as pessoas estavam no celular!
    Em uma rede social, vi uma garota postar uma foto, do motorista do onibus no qual ela se encontrava, estava com uma mão no volante e outra,adivinhem?
    MAJESTOSO CELULAR!
    Absurdo…parece piada,mas não é…
    Infelizmente essa alienação depende das mudanças socias e culturais,interna de cada um,sua moral,conciência,ética,amor próprio e amor ao próximo,responsabilidade,etc…
    Tecnologia é ótima, há mais pontos positivos do que negativos, porém o negativo está em alta e o tema é bem desagrável…

  7. lucas disse:

    Ótima matéria. Parabéns gostei muito realmente temos que abrir os olhos hoje em dia,visite o meu site quando puder e dar uma olhada você não vai se arrepender.

  8. wendell disse:

    Muito bom esse artigo espero ler outros nesse padrão valew.

  9. angelita disse:

    Ótima matéria. precisamos de pessoas que pensam desta forma para influenciar está geração, para não terem um futuro perdido , sem abraços ,conversas e diversão sendo apenas pessoas depressivas e solitárias.

  10. Magda Gratão disse:

    Hoje em dia para onde olhamos vemos as pessoas com a cabeça abaixada olhando para o celular. Não temos mais a comunicação entre as pessoas. Espero que mude.

  11. rita disse:

    Tenho uma filha de 12 anos. Não conversa mais comigo. vive sentada no sofá, celular na mão. Levanta, vai a cozinha, come alguma coisa, senta novamente no sofá, pega o celular. As vezes se deita, mas com o celular na mão. Levanta novamente, bebe ou come alguma coisa, vai ao banheiro. Volta a se sentar, pega novamente o celular. Aí tive uma idéia. Mudei a senha do wi-fi. Se quiser conectar-se terá que seguir algumas regras:

    A CADA MEIA HORA DE CELULAR = MEIA HORA NA LEITURA DE UM LIVRO. (COM COMENTÁRIOS, PARA TER CERTEZA QUE LEU MESMO!)

    SE ARRUMAR O QUARTO E LAVAR A LOUÇA = PODE CONECTAR-SE POR MAIS MEIA HORA.

    ANDAR DE BICICLETA + BRINCAR COM O CACHORRO = + MEIA HORA DE INTERNET.

    Anda emburrada comigo ultimamente, mas não ligo. Sei que estou fazendo o melhor. Um dia vai me agradecer.

  12. Maicon disse:

    É preciso ter limites e bom senso sobre o uso do celular, principalmente quando você está reunido com outras pessoas.

Deixe uma resposta

ASSINE O FEED RSS

Acompanhe nosso blog pelo feed

O BLOG

O objetivo central do veículo é estimular o senso crítico e o poder de reflexão de seus leitores sobre temas que transitam entre conhecimentos científico e de caráter geral.

ASSINE NOSSA NEWSLETTER

TAGS