Por Profª Regina Tavares

Em nossa viagem aos primórdios do cinema, não poderíamos nos esquecer do matemático jesuíta Christoph Scheiner que, na tentativa de observar o sol com maior precisão, desenvolveu um artefato capaz de projetar imagens exatas da estrela central de nosso sistema solar. O artefato chamado de helioscópio não era inovador, mas sua adaptação e proximidade com um projetor de filmes, sim.

helioscópio

Scheiner chegou a trocar cartas com Galileu, no início de 1612, nas quais descreveu como tinha projetado as imagens do sol em papel branco usando uma espécie de câmera escura e espelhos planos, a fim de fazer reproduções bidimensionais. A projeção de tais imagens foi registrada em 70 gravuras que exibidas em sequência inspiraram animação; algo semelhante ao que vemos abaixo.

Scheiner

Tanto Scheiner como Galileu nem suspeitavam que a invenção do projetor ou da câmera nos levaria a um dos feitos mais encantadores da humanidade: a sétima arte. Ambos carregavam apenas a convicção secular de que o registro e a reprodução de imagens são necessidades essencialmente humanas e imutáveis. Nesse sentido, nossa semelhança com indivíduos de séculos anteriores não é uma mera coincidência.

Obviamente, o percurso feito nestes posts não é definitivo. Diversos autores interessados na antropologia da imagem já defenderam a origem do cinema em períodos anteriores aos apontados aqui no blog.

origem do cinema

Se procurarmos no fundo do baú, veremos que os primórdios do cinema podem até ser deduzidos a partir do movimento que as pinturas rupestres adquiriam quando iluminadas pelas fogueiras no interior das cavernas.  Afinal, as imagens antes fixas, quando clareadas pelas labaredas passavam a forjar movimento e animação, tal qual estamos acostumados a admirar nas grandes telas de cinema mundo afora.

Inté!

Uma resposta para “Qualquer semelhança, não é mera coincidência – Parte III”

  1. Ademir disse:

    Concordo professora Regina, as pinturas em cavernas devem ser consideradas como sendo os primeiros registros da animação e base para tudo o que se sucedeu depois.

Deixe uma resposta

ASSINE O FEED RSS

Acompanhe nosso blog pelo feed

O BLOG

O objetivo central do veículo é estimular o senso crítico e o poder de reflexão de seus leitores sobre temas que transitam entre conhecimentos científico e de caráter geral.

ASSINE NOSSA NEWSLETTER

TAGS