O Bife Voltou

12/mar/2014

Por Renato Padovese

Qual seria um bom motivo para voltar a comer carne? O leitor do blog pode participar desta enquete postando abaixo sua opinião. De cara, arriscaria dizer que o mais votado poderia ser o prazer de degustar um suculento filé. Aspectos nutricionais também podem ser alegados, já que a carne vermelha, sabidamente, é excelente fonte de proteína, ferro, vitaminas e minerais. Ou, ainda, razões sociais, afinal, quem não quer ser convidado para um churrasco na casa dos amigos? Inusitado é responder dinheiro. Jamais passaria pela minha cabeça, mas foi o que parece ter convencido Roberto Carlos a voltar ao hábito que abandonara há mais de três décadas. Segundo informações da imprensa, o cachê pago ao cantor para fazer a propaganda da Friboi, empresa do grupo JBS, o maior produtor de carne do mundo, teria alcançado a cifra de R$ 25 milhões. Um belo motivo, convenhamos. O “rei” nega e diz que seu retorno ao mundo dos carnívoros já havia ocorrido faz algum tempo e foi por orientação médica.

Considerando meu interesse pela origem e evolução da espécie humana, e também para continuar no campo do inusitado, eu diria que um bom motivo para voltar a comer carne seria um tributo, uma homenagem, um reconhecimento do papel decisivo que este nutriente teve no processo de transformação de meros macacos antropoides nos seres dominantes do planeta terra, o Homo sapiens.

Explico. Há muitos milhões de anos, nossos ancestrais hominídeos eram vegetarianos. Eles caminhavam pelas florestas africanas subsistindo com uma dieta composta de folhas, frutas, tubérculos e sementes. Eram tempos difíceis. Havia provações de todo tipo e mudanças climáticas ocasionaram períodos prolongados de seca e resfriamento. As florestas úmidas cederam espaço para as regiões de pradaria, savana e deserto.  Para se adaptarem ao ambiente mais hostil, nossos ancestrais foram forçados a aumentar a variedade de seus alimentos. Então, algo em torno de 3 e 2 milhões de anos atrás, uma das espécies de australopitecos (como alguns de nossos ancestrais são chamados) acrescentou carne à sua dieta de vegetais, tornando-se onívora. A carne fornece mais energia por grama consumido do que os vegetais. Outros, depois deles, como o Homo habilis, desenvolveram ferramentas de pedra para retalhar e aproveitar mais a carne das carcaças de animais. A cooperação entre os indivíduos e o domínio do fogo (pelo Homo erectus) aumentaram muito o rendimento das caçadas e o volume de carne consumida cresceu na mesma proporção.

cranio

A maior dependência da carne como fonte de proteínas acarretou mudanças anatômicas e fisiológicas nos nossos ancestrais, como na dentição e na digestão, mas a principal delas foi o aumento do tamanho do crânio, como resultado de um cérebro cada vez maior. Desde o primeiro bife, o cérebro triplicou de tamanho. É claro que outras forças de seleção também contribuíram, mas a mudança na dieta fez toda a diferença e impulsionou os primeiros hominídeos para a atual condição humana.

Talvez você esteja se perguntando se uma interrupção prolongada da ingestão de carne, como aquela a qual se submeteu Roberto Carlos, poderia reduzir exponencialmente a massa encefálica a níveis simiescos. Não existem evidências científicas, porém, é bom não arriscar. Então, vamos celebrar a volta do bife.

 

4 respostas para “O Bife Voltou”

  1. Heitor Di martino disse:

    Renato provavelmente a evolução da vesícula venha dá dificuldade de digerir a carne,provocando então um reservatório de bile,ainda tb num temos presas tão afiadas para rasgar a carne de um ser vivo.então logo imagino que o ser humano teve que evoluir em termos de armamento para sua caça…não sendo assim tb natural,o fato de consumir preferencialmente animais domesticáveis tb denota não ser natural…acho que o homem é essencialmente veggie…mas o veggie é tão picolé de xuxu qto o Alckimin…as guerras e os sentimentos que vem das vísceras vem do consumo da carne…ela dá esse aspecto agressivo ao ser humano…emfim a carne mudou a humanidade,ou melhor criou ela!.o fato do Roberto Carlos aceitar dinheiro para representar contra suas convicçoes tb é muito humano!

  2. Cláudia Di martno disse:

    Muito bom o texto e acredito q nas 3 décadas que ele ficou sem ingerir carne, afetou drasticamente a sua massa encefálica, mas como não estou disposta a ter certeza se isso realmente acontece, continuarei comendo carne.

  3. Guilherme Gonzalez disse:

    Fantástico Rê !!!!!
    R$ 25 milhões eu comeria até aquelas nojeiras do programa “No Limite”, kkkkkkkkk

  4. Eu também já fiz essa experiência, fiquei pouco mais de um ano sem comer carne e, por não consultar antes uma nutricionista, não deu outra, fiquei anêmico. O que achei mais interessante dessa minha loucura é que as pessoas ficavam realmente admiradas quando eu dizia que não comia carne. Elas esbugalhavam os olhos e me perguntavam: sério mesmo?? Mesmo me prejudicando fisicamente, achei a experiência válida, pois foi graças a ela que descobri outros alimentos, outras receitas. Hoje como de tudo, sem frescura.

Deixe uma resposta

ASSINE O FEED RSS

Acompanhe nosso blog pelo feed

O BLOG

O objetivo central do veículo é estimular o senso crítico e o poder de reflexão de seus leitores sobre temas que transitam entre conhecimentos científico e de caráter geral.

ASSINE NOSSA NEWSLETTER

TAGS