Essa segunda matéria da série sobre as Leis da Atração Humana abordará um dos temas mais polêmicos e existenciais da Humanidade: tamanho é documento? Quero deixar bem claro que aqui não haverá espaço para crendices e ditados populares como “nos menores frascos estão os melhores perfurmes” ou “não importa o tamanho da varinha, mas, sim, a mágica que ela faz”. Todos os argumentos aqui apresentados estão devidamente fundamentados por artigos científicos, o que, portanto, representa o “state-of-art” do assunto.

De um modo geral, podemos dizer que proporções corporais mais avantajadas representam um fator atrativo maior ao sexo oposto. Calma, não há preconceito aqui: apenas não há muitos artigos discutindo atração entre homossexuais de ambos os sexos. Contudo, cuidado com as generalizações: alguns trabalhos científicos na área da Psicologia mostram que, por exemplo, a relação entre estatura e atração física masculina ou feminina obedece a uma curva parabólica em “U” invertido, ou seja, homens/mulheres mais altos(as) são mais atraentes, contudo, ATÉ UM CERTO LIMITE! Novamente, a mensagem subliminar nessa impressão visual está na carga genética que este(a) potencial parceiro(a) traz. Baixa estatura pode significar subdesenvolvimento durante a infância, desnutrição ou disfunções hormonais, como, por exemplo, no HGH, o hormônio do crescimento. Por outro lado, pessoas muito altas podem apresentar algum tipo de anomalia genética, entre elas acromegalia ou gigantismo, que são disfunções do mesmo hormônio.

Por favor, percebam que esta NÃO é uma mensagem consciente. Este sinal está implícito e incrustrado na interpretação cognitiva em nosso cérebro, produto de anos de Evolução da espécie humana. De modo interessante, a percepção feminina de homens altos como potenciais parceiros sexuais varia conforme o ciclo menstrual, mostrando o claro efeito dos hormônios esteroides nessa avaliação (Pawlowski B & Jasienska G, 2005. Women’s preferences for sexual dimorphism in height depend on menstrual cycle phase and expected duration of relationship. Biological Psychology 70: 38-43).

Curiosamente, estudos mostram que homens mais altos têm relacionamentos amorosos mais duradouros que homens mais baixos. E mais: em um mesmo grau de instrução, homens mais altos adquirem cargos profissionais de maior prestígio e responsabilidade, um claro efeito sociocultural. O pesquisador francês Nicolas Herpin provou que estabilidade do relacionamento amoroso está baseada na estabilidade profissional do indivíduo (Herpin N, 2005. Love, careers, and heights in France. Economics & Human Biology 3: 420-449). Aparentemente, esse conceito é intrínseco da percepção humana e rege nossa apreciação e admiração para com as pessoas que cruzam nossas vidas. Imaginem que “grande homem” foi Napoleão Bonaparte, em termos de discurso, dialética, política e poder de persuasão: mesmo com 1,62 m de altura, Napoleão foi um grande General e proclamado Imperador Francês no séc. XIX. Detalhe: é sabido que o General Bonaparte usava sapatos salto-alto confeccionados exclusivamente para ele!

Em termos de tamanho, outra polêmica que reina é sobre o pênis masculino.

As dimensões penianas têm comprovado efeito sobre a autoestima, vaidade e virilidade masculina (Davis SN, Paterson LQ, Binik YM, 2012. Male genital image: Measurement and implications for medical conditions and surgical practice. Sexologies 21: 43-47). Nas avaliações em pacientes que se submetem à cirurgia para aumento do tamanho do pênis, mais de 75% deles apresentam dimensões penianas consideradas “normais” ou “medianas”, mas todos eles se mostram insatisfeitos com seus dotes naturais. Calma, prezados leitores! Essa técnica ainda não traz resultados 100% isentos de efeitos colaterais indesejáveis!

O pênis masculino possui comprimento médio de 13 cm, mas, claro, há significativa discrepância entre populações no Mundo. Mais favorecidos, NA MÉDIA – antes que piadas infundadas sejam lançadas – são os africanos sub-saharianos, e menos favorecidos, os nativos de países do sudeste asiático. Mas isso não quer dizer que as mulheres africanas e asiáticas sejam, respectivamente, as mais felizes e infelizes em seus relacionamentos.

Muito curioso é observar a discrepância nas dimensões do aparelho genital masculino entre os vários primatas. A espécie humana, em termos comparativos, possui o maior pênis entre os primatas/hominídeos, em relação ao tamanho corporal. Por outro lado, os chimpanzés possuem os maiores testículos e, portanto, produzem mais esperma para a fecundação. Gorilas, comparativamente, perdem para humanos e chimpanzés em ambos os quesitos, mas não em tamanho corporal. Não é o momento de ser obtusa(o), pudica(o) ou preconceituosa(o): perceba aqui um importante fator de seleção natural entre essas espécies (Short RV, 1979. Sexual selection and its component parts, somatic and genital selection, as illustrated by man and the great apes. Advances in the Study of Behavior 9: 131-158).

Intrigante é o fato de que, teoricamente, a espécie humana atual seja a única classicamente monogâmica entre essas espécies (Simmons LW & Fitzpatrick JL, 2012. Sperm wars and the evolution of male fertility.Reproduction 144: 519-534). Recentemente, dois artigos publicados em revistas de enorme prestígio científico comprovaram que a atração física feminina aprecia, excluindo aspectos socioculturais, uma combinação de 3 principais fatores morfológicos: formato corporal (em “T”, preferencialmente), altura e dimensões penianas (Mautz BS, Wong BB, Peters RA, Jennions MD, 2013. Penis size interacts with body shape and height to influence male attractiveness. Proceedings of Natural Academy of Sciences USA 110: 6925-6930; Tiggemann M, Martins Y, Churchett L, 2008. Beyond muscles: unexplored parts of men’s body image. Journal of Health Psychology 13: 1163-1172)

Assim sendo, o tamanho do pênis pode, sim, ter sido um fator importante durante a evolução dos hominídeos. Embora sejam muito comuns comentários sobre o comprimento do pênis, a largura parece ser uma dimensão mais importante no que tange satisfação feminina. Dentre 170 mulheres holandesas consultadas, 20% delas considerou o comprimento peniano importante, mas 32% salientou a largura (Francken AB, van der Wiel HBM, van Driel MF, Weijmar-Schultz WCM, 2002. What importance do women atribute to the size of the pênis? European Urology 42: 426-431). Antes de qualquer conclusão precipitada, reparem que estas % representam MINORIAS no espaço amostral, mas ainda uma % respeitável. Em um estudo semelhante com mulheres croatas, entretanto, um fator interessante foi agregado à perspectiva: a faixa etária das mulheres consultadas e o número de parceiros que essas mulheres tiveram. Embora boa fração das mulheres tenha atestado a importância das dimensões penianas (principalmente largura), a importância desse fator só aumentou entre os grupos de mulheres que tiveram maior número de parceiros! (Stulhofer A, 2006. How (un)important is penis size for women with heterosexual experience? Archives of Sexual Behavior 35: 5-6).

Outro estudo estarrecedor mostra que mulheres que atestam preferência a pênis mais longos atingem mais facilmente o orgasmo vaginal, enquanto que mulheres que optam mais pela largura peniana têm maiores relatos de orgasmos clitorianos (sendo sincero: eu nem sabia que havia dois tipos! rs)(Costa RM, Miller GF, Brody S, 2012. Women who prefer longer penises are more likely to have vaginal orgasms (but not clitoral orgasms): implications for an evolutionary theory of vaginal orgasm. Journal of Sexual Medicine 9: 3079-3088).

Mas os humanos não são simples primatas com seus membros reprodutores expostos para a visualização e seleção por parte das possíveis parceiras (em nenhuma circunstância, seus deturpados!). Quase que incontáveis outros aspectos se sobrepõem a essa “mensagem primitiva” e subliminar, ainda mais considerando o gênero feminino humano! E isso não é uma piada, é um fato atestado! Frente aos aspectos socioculturais, morais e éticos da vida em sociedade, fatores como nível de instrução, espírito paternal, sucesso profissional e financeiro são igualmente apreciados pelas mulheres casadoiras. Outro fato: as mulheres, em geral, não possuem essa atração pontual e objetiva típica dos homens. Para serem conquistadas – se bem que na Natureza, são elas que escolhem! – não basta aos pretendentes simplesmente bater no peito, fazer sua dança especial do acasalamento e mostrar sua genitália. Os homens devem criar uma atmosfera, um clima, repleto de inúmeros estímulos sensoriais: olfativos (perfumes, odores agradáveis e sedutores), palatais (um jantar diferente, chocolates especiais, bebidas excêntricas), táteis (carícias, massagem relaxante), auditivos (música romântica, sussurros, etc) e, sim, visuais. Acima de qualquer benevolência genética, os homens que desejam algum sucesso nesse campo romântico, devem ouvir suas pretendentes e seguir essas leis da sedução. É a Ciência quem afirma isso!

Um abraço

12 respostas para “Tamanho é documento?”

  1. Incrível! Adorei todas essas informações.

  2. Cristina Vardaris disse:

    Esse tema além de ser polêmico, ainda é um tabu!!Não lembro se li ou ouvi de alguém (então não sei se existe base cientifica…) que o tamanho do canal vaginal é diferente para cada etnia, nas asiáticas seria menor em relação as africanas. Se este fato for verdadeiro, evolutivamente é muito bom, pois o encurtamento do canal vaginal favorece o parto natural/normal, além de explicar a diversidade entre o tamanho peniano. Adorei a matéria!! bjo

    • Marcelo Paes de Barros disse:

      Oi Cris
      Obrigado por seus comentários. Hum,acho que também já li algo sobre o assunto, mesmo. Cabe uma chafurdada no PubMed,Web of Science,SCOPUS… rsrs
      Como dizia minha avó: há sempre uma tampa para toda panela!
      BJ

  3. Muito bom o artigo, lembro de um filme, ” Os Normais ” onde em um trecho os 2 casais começam a discutir sobre o tamanho dos absorventes internos das esposas, onde uma usa tamanho G e outra tamanho P..kkkk..e ambas estão bravas por seus maridos terem penis tamanho P e outro G. kkkk… mas como dizem, ” Para toda panela velha existe uma tampa torta ” …

    • Marcelo Paes de Barros disse:

      Oi Ricardo!
      Sim, esse filme (ou episódio,não lembro) foi ótimo mesmo. E sem querer, citei seu ditado no comentário acima do seu! hahahaha
      Um abraço

  4. Juliete Marcelli disse:

    Gostei bastante do artigo. Mas realmente concordo que, o fator cultural e social, importam mais para as mulheres em geral. Parabens!

    • Marcelo Paesde Barros disse:

      Oi Juliete!
      Obrigado por seus comentários. De fato, esse parece ser o grande desafio masculino: embora sejam mais visuais e pontuais, eles têm que envolver o encontro/relacionamento com todo um ornamento sedutor… por isso tantos dizem que é difícil agradar a elas! Mas o esforço já deve ser valorizado! rsrs
      Bj

  5. Claudia Regina Monteiro disse:

    Ótimo texto Marcelo. Acho interessante mencionar a bioenergética, que segue uma linha mais evolutiva, da energia sexual considerando formatos corporais.Bjs.

    • Marcelo Paesde Barros disse:

      Ah, valeu Cláudia!
      Que bom que gostou. Na verdade, havia outros assuntos muito interessantes. Ficarão para a próxima, rs.
      Bj

  6. Tabu é tabu né?! rsrs
    Mas acho que o fator cultural é o que mais pesa nessa questão.

  7. Marcelo Paesde Barros disse:

    olá João
    Sim, essa perspectiva muda conforme a cultura em questão. Um abraço

Deixe uma resposta

ASSINE O FEED RSS

Acompanhe nosso blog pelo feed

O BLOG

O objetivo central do veículo é estimular o senso crítico e o poder de reflexão de seus leitores sobre temas que transitam entre conhecimentos científico e de caráter geral.

ASSINE NOSSA NEWSLETTER

TAGS