Provavelmente, após ter lido o post anterior sobre trabalho e empregabilidade, as opiniões se dividiram: alguns de vocês julgaram a mensagem extremamente pessimista, enquanto outros vislumbraram novas formas de alcançar um lugar ao sol no mercado de trabalho. Pasmem! O cenário é mais favorável do que parece. É na crise (ou até no caos) que novas soluções criativas emergem e provocam verdadeiras revoluções.

O físico Ilya Prigogine ganhou o prêmio Nobel ao afirmar entre outras premissas que a ordem tem sua origem no caos, na crise. E se é verdade que as relações entre ordem e caos são mais complexas do que se supõe, então o desenvolvimento da ciência, da economia e das empresas não é linear. Ora o que já não foi criado a partir de um problema? Pense em objetos, processos, soluções, cargos, serviços etc. A crise é relevante para a própria evolução da humanidade.

Tomemos como exemplo a crescente complexidade do mercado de trabalho globalizado que, apesar de destruir empregos mecânicos e repetitivos, gera novas necessidades e funções que serão atendidas por pessoas conscientes deste universo instável e inquieto. Esta é a nova economia e a palavra do momento é criatividade.

Cientistas já admitem que a intuição, a emoção e, principalmente, a criatividade acompanham a lógica e o raciocínio metódico. A partir desta nova visão de mundo, as equipes de trabalho tornaram-se mais interdisciplinares e criativas. O desenvolvimento de uma rede conceitual e interativa entre economia, engenharia, psicologia, política, comunicação, entre outras áreas pode ser muito mais útil do que cada um na sua atuando de forma isolada em prol de questões universais como o aquecimento global.

A formação acadêmica na atualidade – inclusive na Universidade Cruzeiro do Sul – deve construir um novo significado para o trabalho. A ideia é profissionalizar-se sob um propósito emancipatório, transformador e revelador, afinal, a aceitação da realidade como ela é ou a passividade diante da crise enfrentada pelo mundo indicam uma vitória do pragmatismo e devem ser questionadas em um dos espaços propícios à reflexão: a Universidade. O estudante deve refletir sobre sua condição determinante na história. O seu trabalho é, sem dúvidas, a sua missão de vida. Pense nisso e crie novos estímulos para sua atuação profissional. Inté!

12 respostas para “Tempos modernos: do caos à criatividade”

  1. Antonio disse:

    Acho extremamente relevante a discussão a respeito da Universidade ser o espaço de discussões profundas a respeito da crise do mundo atual, seja nos quesitos políticos, científicos, sociais, entre outros… E, no meio dessa discussão, acredito que a parte que tenho mais dificuldade é de associá-la a minha atuação profissional.

    Entretanto, creio que tais dúvidas e dificuldades serão sanadas no decorrer da graduação.

    • Regina Tavares disse:

      É comum sentirmos certo temor em relação ao futuro profissional. Entender como as mudanças ao nosso redor interferem na profissão que escolhemos não é tarefa das mais fáceis. Contudo, converse com os seus amigos, troque ideias e esteja por dentro de tudo o que rola no Brasil e no mundo. É uma boa dica!

  2. Alfredo disse:

    Em um primeiro momento, eu acreditava ser muito difícil ter criatividade no mundo de hoje. Poxa, parece que tudo foi inventado, criado! No entanto, no decorrer da minha atuação profissional, pessoal e sobretudo, acadêmica, descobri que há sim, vários meios de criar e até mesmo se reinventar.
    Digo isso por experiência própria, pois, agora que estou no final da graduação, fui promovido devido a questão da criação, algo importante em minha profissão (publicidade).
    Acho que basta acreditar e fazer o que se gosta para conquistar o sucesso profissional que tanto almejamos!

    Até!

    • Regina Tavares disse:

      Você tocou em um ponto crucial para mim: fazer aquilo que se gosta. Ainda acredito que o sucesso atravessa essa premissa. Um abraço.

  3. Sempre antenada, moderna e pertinente em seus comentários. Parabéns. Uma grande mestra para mim. Inesquecível.

  4. Helena disse:

    Olá, professora!

    Achei muito sensato esse post no site da nossa Universidade. Ser um profissional no meio globalizado não é uma tarefa fácil. Às vezes, meus colegas e eu ficamos em uma grande dúvida a respeito dos rumos que iremos tomar após o término da Universidade.
    Espero que até o final da graduação as questões agora embaralhas amadureçam e se transformem em conhecimento, estimulando meu processo criativo e, consequentemente, meu diferencial no mercado de trabalho.

  5. Helena disse:

    Gostaria de dizer também que adorei a menção ao filme dos Tempos Modernos do Charlie Chaplin! Como pode um filme tão antigo ser tão próximo a nossa realidade atual? Não é atoa que ele é um clássico, né! Rs.

  6. Regina Tavares disse:

    Olá, acredito que durante o curso você notará quais são as oportunidades de sua área e em breve fará as escolhas certas para alcançar o sucesso profissional. Sem dúvidas, a atualização e a educação continuadas são peças fundamentais neste jogo. Quanto ao filme, ele é uma boa alternativa para entender como o mundo do trabalho era mecânico e fragmentado numa indústria. Hoje, prevalece a noção do todo e não das partes como enfatizei nos textos. Obrigada pela colaboração!!!

  7. Ricardo disse:

    Adorei o texto.
    Perfeito para a reflexão em nosso mundo globalizado.
    Em minha opinião, nós devemos unir a criatividade, lógica, raciocínio metódico e a formação acadêmica para superarmos os momentos de crise.

  8. Matheus disse:

    Aproveito para dar os parabéns pelo espaço!

Deixe uma resposta

ASSINE O FEED RSS

Acompanhe nosso blog pelo feed

O BLOG

O objetivo central do veículo é estimular o senso crítico e o poder de reflexão de seus leitores sobre temas que transitam entre conhecimentos científico e de caráter geral.

ASSINE NOSSA NEWSLETTER

TAGS