Pode até ser que alguém não se lembre do termo adágios. Costumamos chamá-los de ditados, provérbios e muitos são utilizados no nosso dia a dia. Alguns até, pelo próprio processo comunicativo, foram transformados, ou seja, tiveram seus sentidos modificados no tempo.

Eles possuem uma importância no contexto social por serem quase verdades absolutas de um conhecimento universal. Ao serem utilizados pelos falantes, procuram persuadir, pois reforçam o “dizer” como marca de autoridade e tradição.

Quem já não ouviu, por exemplo:

- Contra a morte não há reza forte.

- De grão em grão a galinha enche o papo.

- A língua não é de aço, mas fere.

- A justiça tarda, mas não falha.

Eles são praticamente intocáveis, verdades que se ditas em lugar e tempo adequados deixam qualquer interlocutor sem argumentos para retrucar.

No entanto, em sites na internet, encontramos vários deles que com o tempo sofreram modificação de sentido. Fizemos uma pequena seleção, para que você, querido leitor, observe qual sentido tem dado a eles.

Espero não ter deixado ninguém desanimado, perturbado ou constrangido, pensando: “que coisa!!! minha vida inteira usei esses adágios e nunca imaginei que eles pudessem ter outros sentidos”. O que direi para meu pai e minha mãe?

É, às vezes, as coisas mudam. Mas como diz o provérbio: vivendo e aprendendo!!!

Para finalizar, será que vocês se lembram dos três ditados abaixo, representados por imagens que transitam na internet!!!:

Se fizerem uma busca, haverá outros, alguns não publicáveis aqui, rs…

Abraços mil…

40 respostas para “Adágios: uma máxima, um provérbio, um ditado…”

  1. Anelise Moraes Borges disse:

    Os provérbios são, de fato, uma forma de transmitir conhecimento, sabedoria, mas muito além disso, os provérbios são capazes de transmitir uma grande vivência, de tal forma que sempre nos lembramos da seguinte frase, antes de recitarmos um provérbio em determinada situação em nossas vidas: “Ah! bem que meu avô dizia…”, “Ah! Agora entendo o que minha mãe quisera dizer quando…”
    É uma ilustre maneira de nossos antepassados nos avisarem ou tentarem nos poupar de algumas coisas em nossa caminhada.
    Eu me lembro de muitos provérbios que minha avó costumava dizer quando eu era uma garotinha, minha avó tem origens portuguesas e um dos provérbios que eu mais ouvia, principalmente quando meus primos me acusavam de algo e eu tentava me explicar, minha avó dizia: “Menina! Tu não sabes que quando um burro fala os outros abaixam as orelhas”.
    Minha mãe ainda hoje, se percebe que alguém se faz de desentendido solta: “Aiaiai hein, para quem sabe ler, um pingo é letra.”
    São muitos, são muitas histórias!
    Um super abraço,

    Anelise Moraes Borges, RGM 1061-8

    • Carlos Andrade disse:

      Oi Anelise,

      Nossa, é verdade… minha avó dizia isso direto também. Para quem sabe ler, um pingo é letra”. Boas lembranças.

      Abraços

      • Eu vivi na infância,ouvindo os adágios,e até hoje me recordo muito muito,deles que ouvia da minha mãe. por exemplo: Deus ajuda,quem cedo madruga.Quem dorme muito,pouco enxerga.não fale mal do teu vizinho,porque o teu já está a caminho.vamos todos dormir, que amanhã é dia de branco.se morrer e descansar,eu quero viver cansado .Olhe com os olhos,e lambe com a testa.não e um passo,maior que as pernas. Tem o olho,maior que a barriga.Agua mole em pedra dura,tanto bate até que fura.No alto daquele morro,tem um ninho de mafagafa,quando uma mafagafa rincha,rincha toda 25 mafagarifinhas.Fiado só no dia de são nunca.e muitas outras que não me lembro no momento.Abraço….

  2. Eu, particularmente, dou muita risada quando escuto alguém falar um provérbio, principalmente se for uma pessoa bem mais velha, pois eles falam de uma forma tão engraçada, como se aquilo fosse sério mesmo!
    Meu pai, quando perguntamos algo relacionado a cor, ele fala ”Essa é aquela cor…cor de burro quando foge!” Dou muita risada com ele.
    Quando eu era criança, minha avó me falava uma coisa que até hoje não entendo. Ela tem o costume de colocar muita pimenta em todas as comidas que faz, aí eu comia e ardia, e eu fazia aquela cara de desespero, os olhos começavam encher d’água e ela falava ‘Quem manda ter a boca de cera?’. Acho engraçado mas confesso que não entendo o que ela queria dizer.

    • Carlos Andrade disse:

      Oi Anna,
      Bem, poderíamos supor que a “cera” derrete facilmente, e a pimenta “queima”, pode ser uma leitura do que sua avó dizia… rs

      abraços

  3. Marcela Ferreira da Silva disse:

    Desconhecia o termo adágios, os conhecia apenas por provérbios ou ditados.
    Estes podem identificar uma cultura, uma região, e até mesmo uma época.
    Eu gosto muito do adágio: ‘A união faz a força’
    Embora não seja fácil trabalhar em equipe, pois cada indivíduo tem uma personalidade distinta, um pensamento distinto, todavia quando unimos nossas ideias, consequentemente construímos uma casa sobre uma rocha, que ficará firme e inabalável.

    Marcela Ferreira da Silva RGM: 123534-6 / 1A

  4. Rafael Silvério disse:

    Gosto dos provérbios, eles são uma espécie de conhecimento popular que frequentemente se mostra útil e verdadeiro. Um dos meus favoritos é: “A beleza está nos olhos de quem vê”.

    Por Rafael Silvério. RGM: 1224948.

  5. Às vezes em breves palavras conseguimos explicitar e conceituar muitas coisas, o mais intrigante que os adágios permeiam por muitos anos sendo transfigurando. Pois é uma tradição oral, sendo algo volátil. É muito interessante as mensagens que são emitidas de modo irônicas, verdade tornando universais.
    Um que gosto demais é: “Água mole pedra dura tanto bate até que fura.”
    “Cem homens podem formar um acompanhamento, mas é preciso de uma mulher para se fazer um lar.”

    • Carlos Andrade disse:

      É isso Débora,

      O primeiro que você gosta muitas pessoas falam “água mole em pedra dura, tanto bate até que fura”. Já no segundo, senti uma pitada de feminismo, kkkk.

      abraços

  6. LÍNDICIA ALVES disse:

    “Quando falamos de provérbios achamos engraçado,mas ao mesmo tempo refletimos também sobre ele,meu pai sempre diz que “A pressa é inimiga da perfeição”,e se fomos analisar tem fundamento,porque as vezes nos apressamos em fazer algum,e não esta no momento certo”.Gosto muito desse provérbio,pois já tive momentos em que eu me precipitei, e acabou dando errado.
    “Quem espera sempre alcança”.

    • Carlos Andrade disse:

      Olá Lindicia,

      Precisamos apreder esperar para plantar, no entanto, não podemos esquecer de correr para alcançar.

      Abraços e continue por aqui.

  7. flávia correia gomes disse:

    Adágio se são ditatos, uma expressão de palavras engraçadas que tem uma realidade, são ditados pequenos que se resolva sempre em um fato.
    Mesmo que houve uma mudança, ou modo expressão esteja errado, mais o siginificado é o mesmo de alguns adágio.
    Conheço um adágio que eu gosto que é:
    - Mais vale um pássirinho na mão, do que dois voando.
    tem outro que é:
    Se não pode ajudar então não atrapalhe.
    O modo expressão é mais vale o certo do que dois duvidos, ou quem muito quer nada tem, o outro e como se expressase que boca fechada não entra mosca, se não pode ajudar não de palpite, quem muito fala nada diz, também dizemos que é provébios porque através de pequenas palavras expressa sempre uma realidade, para mim ádagios, ditados,provérbios tem o mesmo siginificados.

    • Carlos Andrade disse:

      Oi Flávia,

      Acho que os adágios são importantes para a reflexão. O uso deles seria sempre uma boa estratégias para se fazer pensar.

      Abraços

  8. Clarice Borsonello disse:

    Sempre achei adágios uma coisa bem engraçada… Tipo aquela coisa que vó fala e você demooooora à entender. Sempre demorei pra entender tais frases, achava graça e as vezes até faziam sentido para a minha cabecinha, mas sempre tem uma que eu nunca gostei de ouvir: “Ladrão que rouba a ladrão tem cem anos de perdão.”
    Primeiramente, ladrão que é ladrão não merece perdão algum. Desonestidade é o fim da picada! Não me entra na cabeça uma pessoa que rouba algo que batalhaste tanto para poder comprar.

    Então, no contexto de adágios, minha opinião é singela: acho legal, porém, este é o único adagio do qual nunca gostei! Urgh!

    • Carlos Andrade disse:

      Boa lembrança,

      Esses devem ser muito lembrados por aquelas pessoas que ficam assaltando os cofres públicos, rs.

      Mas o que você disse é verdade. Nem todos devem ser usados como exemplos a seguir, no entanto, não podemos negar a importnância da reflexão, inclusive dos adágios que não são tão bons.

      Abraços mil

  9. Mariane M de Freitas disse:

    Quando falamos disseminamos: amor, paz, tranquilidade, ódio, rancor,tristeza…os adágios representam nossas emoções e sentimentos de forma simples e universal!
    Gosto muito desse, aliás deveria ser praticado diariamente: “Não faças aos outros o que não queres que te façam a ti”

  10. Vanessa Nunes disse:

    As palavras são mesmo muito fascinantes. Sempre ouvi muito ditos populares desde criança. E muito deles fizeram e fazem parte da minha vida: Como por exemplo: antes tarde do que nunca;Amigos amigos, negócios a parte; quem complica se estrupica e As aparências enganam é o meu preferido e mais verdadeiro que acho.
    Enfim acredito que esses ditados populares é a forma realística e variada de frases de acordo com o local-região em que se encontre.

  11. Natália Rodrigues de Araújo disse:

    Adágios ou provérbios têm um humor muito peculiar, e a parte que mais gostei foram as transformações do sentido de cada um, como um telefone sem fio ao longo dos anos, em pensar que posso dizer algum provérbio de meus ancestrais, acho isso o máximo. Quando eu era pequena vivia em Minas Gerais, Ouro Fino e lá quando está chovendo muito eles dizem um que gosto muito: “está chovendo para cachorro beber água em pé”…e sempre que começava a chover eu queria ver um cachorrinho em pé, bebendo a água da chuva, rsrs

  12. Kely Cristina Gomes da Silva disse:

    Os adágios podem revelar inúmeras sensações e sentimentos, as situações em que estes são empregados também podem despertar algumas expressões por parte de quem fala e de quem ouve. A verdade é que os provérbios são o meio de camuflar reais críticas.

    O que mais gosto é : ” Bom é saber calar, até o tempo de falar. ”

    Muitas vezes é melhor ouvir para poder falar com razão.

    Rgm: 124310-1 1/A

  13. É estranho imaginar que esses ditados populares que usamos todos os dias passam por todas essas mudanças e significam coisas diferentes de que imaginávamos antes.
    O meu favorito é “Falem bem, falem mal, mas falem de mim.”

    • Carlos Andrade disse:

      Oi Maria Cristina é isso mesmo. Muitas coisas na comunicação acabam mudando nss interações sociais.
      Também gosto de que falem de mim, kkk.
      Abraços

  14. Miriam 80145-3 disse:

    Os adágios são ditos populares que transmitem conhecimentos da vida de forma bem divertida.Na minha opinião eles nos faz refletir sobre certas coisas.
    Os meus adágios prediletos são:
    “Nada como um dia depois do outro.”
    “O seguro morreu de velho.”
    “Para bom entendedor meia palavra basta.”
    “Quem meu filho beija minha boca adoça.”(esse é o que mais tenho usado nos últimos tempos)

  15. João Vitor Fonseca Pinheiro disse:

    Eis aqui novamente lendo uma otima postagem, antes ja passada em sala de aula, e fiquei abismado com as reais origens de alguns ditados. E sempre me pego questionando alguns termos que usamos, que se encaixam no contexto do assunto em conversa, mas ao interpreta-lo sozinho não faz muito sentido. rs.

    bem, uso muitos ditados no dia-dia, e alguns são imprópios para publicação aqui, rs, mas posto um popular na boca da minha mãe : “Fazendo cortesia com chapéu do outro” rsrs. boa noite.

  16. Vivian Nunes de Almeida disse:

    O poder das palavras é realmente muito grande. Grande prova disso é a disseminação dos provérbios (ditos, adágios), que ao passar do tempo realmente se enraízam em uma determinada cultura, podendo até mesmo ser modificado com o passar do tempo. Um dos provérbios que gosto e que sempre lembro é: ” Depois da tempestade, sempre vem a bonança.”.

  17. Italo da silveira bastos disse:

    não conhecia esse termo adágio,mas faço uso deles com frequência.Um ditado fala mais que mil palavras e o meu preferido é:”quem tem boca vai a roma”

  18. Carlos Andrade disse:

    Oi Italo,

    Como você deve ter lido, esse adágio foi modificado com o tempo. O texto fonte é “quem tem boca vaia Roma”. Ele apareceu em momento de descontentamento do povo, ok?

    Abraços

  19. Francislene H. de Alencar disse:

    Boa noite, professor!
    Concordo com relação às postagens, quando dizem que a palavra adágio, usada para expressar ditados populares ou provérbios, era desconhecida. Aliás mais uma palavra para o enriquecimento do meu vocabulário! Ultimamente o adádio que não sai da minha mente é: NÃO GOSTAR É APELIDO, EU ODEIO! Ah, mais saiba que eu estou de bem com a vida, certo, professor! É que detesto pessoas inconvenientes!

  20. José Lopêz Barbosa disse:

    Muito se falou de provérbios nesta página, mas é bom que não esqueça, que os principais provérbios vem de uma autoria incontatáveis desde a antiguidade, pois nada mais nem menos do que foi o Sábio Rei Salomão quem lhe devemos imputar a sabedoria dos inscritos no livro dos provérbios, de tamanha importância que chegou a se espalhar pelo mundo como a força de uma máxima. Aqui está o meu ponto de vista e entendimento por tudo que entendi entre os textos acima. Aceito a sua réplica! rsrtsrs.

    Evangelista irmão J.L.Barbosa, servo do Senhor e advogado dos menos aquinhoados.

  21. nazareth feliciano disse:

    Um ditado que gosto muito e sempre o utilizo no meu trabalho: ENQUANTO EXISTIR CAVALO, SÃO JORGE NÃO ANDA A PÉ.

Deixe uma resposta para Italo da silveira bastos

ASSINE O FEED RSS

Acompanhe nosso blog pelo feed

O BLOG

O objetivo central do veículo é estimular o senso crítico e o poder de reflexão de seus leitores sobre temas que transitam entre conhecimentos científico e de caráter geral.

ASSINE NOSSA NEWSLETTER

TAGS