Não sei se vocês tiveram a oportunidade de assistir a refilmagem da ficção científica de 1951, “o dia em que a terra parou”, baseada no conto de Harry Bates e dirigida Robert Wise.

Com algumas adaptações, a nova proposta dirigida Scott Derrickson, que conta no elenco com grandes nomes como Keanu Reeves, Jennifer Connelly, Kathy Bates, apresenta o alienígena Klaatu e um robô gigante e muito poderoso, com uma missão muito específica: exterminar a raça que está acabando com o planeta terra. Por meio de uma intertextualidade com a “Arca de Noé”, procuram colecionar o maior números de espécies animais em grandes esferas, para preservar a vida terrestre e posteriormente encaminhar o extermínio da raça humana. Afinal, é ela a responsável pelo estado deplorável do meio-ambiente.

Pra falar a verdade, o filme não surpreende muito, não é a melhor ficção que já assisti ou li, mas o caráter do tema é bem moderno, pois, novamente, fala-se em preservação, em luta pelo planeta, em conscientização da vida como um todo.

Por que o tema continua moderno? Primeiramente pela ação profética da arte. É, eu penso que as artes, como são criadoras, registram o presente e o passado, mas não deixam de procurar induzir o futuro, ou pelo menos apontar para algumas coisas.

Cada vez mais vemos o planeta gritar. As catástrofes são alvo dos noticiários. Enchentes, terremotos, tsunamis, prédios desabando, mares se avolumando, rios transbordando, tragédias múltiplas. O planeta sufocado, ainda vai caminhando…

Cada vez que assisto a um filme como esse, fico refletindo muito no que teremos daqui a alguns anos e fico preocupado, pois não vejo nas mesmas proporções os noticiários informando sobre os projetos realizados para mudar essa rota destrutiva.

Como podemos colaborar? Consciência é uma grande palavra, que precisa ser colocada em prática.

Como? Às vezes, com coisas óbvias: coleta seletiva, não jogar pela janela do carro objetos que possam causar dano às cidades, consumir o necessário, evitando proliferação de lixo. Você dirá, mas isso é óbvio mesmo e aí eu terei de recorrer a Paulo Freire quando disse que o óbvio precisa ser dito, para ser compreendido. Então, como você vê essas coisas?

Precisaremos de uma arca de Noé? Precisamos mudar atitudes para continuarmos construindo algo melhor para nossos filhos.

Bem, independemente de os Maias estarem certos ou não, precisamos pensar como se não houvesse amanhã e realizar hoje tudo seja possível, para termos consciência que fizemos nossa parte.

Este é um ano de eleições e devemos pensar muito bem, pois devemos eleger representantes e cobrar deles com mais efusão as suas responsabilidades. Quero que o planeta seja uma grande Arca de Noé e que vivamos bem nele.

Planetinha legal esse nosso!!!!!

Feliz 2012 a todos.

2 respostas para “O dia em que a terra parou e pensou!!!”

  1. Denis disse:

    A terra na verdade vai muito bem, para quem conseguiu resistir a um gigantesco asteroide, a nossa raca nao faz nem cócegas. Já que eventualmente ela se recuperará de nossos estragos, o único problema é que do jeito que anda, nóas não viveremos para ver essa recuperacão.

    • Carlos Andrade disse:

      Oi Denis, legal ter participado. A razão do blog é criar espaço para reflexão.
      Concordo com você que nosso planeta é forte, não sou especialista na área, mas o considero um elemento vivo, como tantos outros de nossa galáxia.
      Vejo homens e mulheres fortes que, às vezes, por meio de um pequeno virus, acabam definhando.
      A pergunta é: será que as ações humanas não podem ser comparadas com esses pequenos virus?
      Acho que conscientização podemos prolongar algumas coisas. Se não refletir diretamente no aspecto físico do planeta, repercutirá nas consciências.
      Abraços

Deixe uma resposta

ASSINE O FEED RSS

Acompanhe nosso blog pelo feed

O BLOG

O objetivo central do veículo é estimular o senso crítico e o poder de reflexão de seus leitores sobre temas que transitam entre conhecimentos científico e de caráter geral.

ASSINE NOSSA NEWSLETTER

TAGS