Vitrine vitae

22/set/2011

Noutro dia, pedi aos alunos que tivessem interesse em estagiar na área de comunicação que enviassem seus currículos por e-mail para uma amiga, ansiosa em contratar alguém até o final de semana. Dias depois, em conversa com esta amiga, fui surpreendida pela enxurrada de críticas em relação aos currículos recebidos. Bom, não resisti e resolvi lançar mão de algumas dicas para quem pretende criar ou atualizar essa verdadeira vitrine de nós mesmos: o currículo.

Currículo vem do latim: curriculum vitae. Numa tradução simplória seria o mesmo que “carreira de vida”, ou seja, um relato das experiências profissionais, das principais informações pessoas, das competências e habilidades de um indivíduo.

Douglas T. Hall define carreira como o conjunto de atitudes, comportamentos e atividades que resultam em experiência e conduzem as pessoas a ter sucesso ou não em sua vida profissional. Note que nem sempre os registros presentes no currículo contemporâneo dizem respeito ao passado, nem tampouco, às características profissionais de seu dono. Cada vez mais, experiências pessoais como viagens, atuações voluntárias, iniciações científicas, intercâmbios, habilidades artísticas, entre outras características seduzem os recrutadores mais exigentes.

Para quem está empregado, o currículo pode ser solicitado para apoiar uma promoção, um novo emprego, um ingresso em cursos de pós-graduação, para envio a clientes, fornecedores e demais interessados etc. Para quem está a procura do emprego, trata-se de uma ferramenta capaz de gerar entrevistas e servir como grande guia durante a entrevista de emprego.

Para mantê-lo sempre atualizado é preciso registrar fatos de relevância em sua carreira. Procure manter um banco de dados com seus contatos, eventos que participou, projetos realizados etc. Isso faz parte da organização metódica de seu currículo. Também é recomendável arquivar certificados de cursos extra-curriculares, cursos de línguas e de capacitação técnica (domínio de softwares de relevância para a área de trabalho, por exemplo) e o que mais você julgar fundamental para a formação de sua personalidade.

O acompanhamento de uma carta de apresentação, ou seja, um documento emitido por algum profissional renomado da área ou pela organização em que trabalhou pode ser determinante numa contratação.

Por fim, seu currículo precisa passar a impressão de que você tem o perfil do profissional que a empresa precisa. Nesse sentido, é preciso alterar o currículo e adequá-lo ao objetivo que se pretende na ocasião. Por exemplo, não aponte objetivos genéricos como: Atuar na área de TV. Seja específico, de acordo com a vaga mencionada ou com o seu perfil e interesse.

O ideal é responder as questões dos empregadores, são elas:

Quem é você?

O primeiro item deve ser o seu nome, não é necessário intitular o currículo como currículo, curriculum vitae etc.

Em seguida, revele as principais informações pessoais: idade, endereço, contatos (inclusive as redes sociais, pois, muitos empregadores as consultam), estado civil, formação acadêmica e estado civil. Veja que não é necessário mencionar os documentos PIS, CPF, RG etc. Afinal, isso só é exigido quando se é contratado.

Em seguida, aponte sua formação acadêmica com o grau da escolaridade, a instituição de ensino, o ano de início e término do curso. Caso um dos cursos esteja em andamento, aponte-o e mencione o horário em que estuda. Cabe dizer que não é necessário mencionar o ensino médio, exceto caso tenha realizado o ensino médio técnico.

Jamais indique cursos, experiências ou atividades que não possa comprovar. Não minta. Cuidado com e-mails de baixo profissionalismo como: anabananinha@chiclete.br ou alefofinho@gente.com. Isso vale para as redes sociais. Pense na sua reputação. Um blog com alto grau de ativismo político ou de futilidades absurdas pode depor contra você. Veja que falei de extremos. O ideal é o equilíbrio. Procure demonstrar politização e ao mesmo tempo serenidade para com a sua vida pessoal.

Acredito que não é necessário comentar sobre as mensagens deixadas na caixa postal do celular, não é?!

Não indique pretensão salarial.

O que você quer?

Defina um objetivo para este currículo. Esta etapa do currículo pode ocorrer antes ou até depois dos dados pessoais. Seja bem específico, de acordo com a vaga mencionada ou com o seu perfil e/ou interesse.

O que você já fez?

Destaque as atividades que você desempenhou em cada emprego e que resultaram em retorno para a empresa, me refiro a retorno financeiro, institucional ou de relacionamento com o mercado.

Aponte o nome da organização, o período em que esteve nela, o cargo, as funções exercidas e destaque prêmios e acontecimentos de relevância.

Você pode ordenar esta lista como quiser. A mais comum é a cronológica.

Você se atualiza?

Mencione seus cursos extracurriculares, competências técnicas, eventos vivenciados no período da graduação, projetos envolvidos, ações de voluntariado, habilidades diversas, cursos de língua estrangeira e o que mais julgar que seja relevante.

Como você é?

Como eu já falei anteriormente, o currículo é um retrato nosso. Para que ele seja uma boa propaganda sua; revise a ortografia e a digitação; deixe margens largas e muitos espaços em branco; não use letras muito pequenas ou enormes; não varie muito a fonte das letras; alinhe o texto no modo justificado; tenha cuidado com as ilustrações, as fotos, as cores, as formas diferenciadas de dobrar o papel etc.

Procure personalizar seu currículo com bom senso. Obviamente que isso vale para as áreas mais conservadoras.

Se optar por um envelope, deixe seus dados em uma etiqueta e não os coloque de forma manuscrita no envelope.

Seja breve, currículos extensos não são lidos. Afinal, o empregador tem pressa.

Inté a próxima!

9 respostas para “Vitrine vitae”

  1. Olha professora Regina, a senhora não sabe como ficamos gratos (nós profissionais de RH) por essas super dicas. Com certeza, elas ajudarão não somente os candidatos, mas os (as) selecionadores (as). Ainda existem muitos candidatos sem um norte, um rumo, uma direção do que pode ou não colocar em um curriculo, do que falar ou não em entrevistas.
    Esse seu artigo está bem completo, bem focado e direcionado. Não acrescentaria nada, está ótimo!
    Parabéns pela inicitiva, comprometimento e essa determinação em ajudar o próximo.
    Agradeço não somente em meu nome, mas em nome de todos os profissionais de Recursos Humanos, pois nós sabemos bem o que é perder um candidato ou demorar fechar uma vaga por falta de curriculo que nos dê informações para convidá-lo (candidato) para uma entrevista. O curriculo é de fato a porta de entrada de qualquer candidato em uma empresa.
    Abraços e parabéns!

    • Regina Tavares disse:

      Olá, Leandro, fico feliz em saber que isso pode ajudar de alguma forma os nossos colegas de RH a se depararem com candidatos mais bem preparados. Um forte abraço e bom trabalho!

  2. danilo cardoso disse:

    Infelizmente a situação mencionada acima é uma realidade brasileira e pior uma das mais inusitadas, as pessoas perdem cargos por falta de capacitação profissional por não se interessar em se aprimorar o conhecimento seja com cursos de profissionalização ou graduação de ensino superior entre outros mostrando esta “carência” de candidatos as respectivas vagas< mas toda regra a excessão não podemos generalizar há casos que as pessoas não tiveram por algum motivo esta oportunidade de investir nesta visão

  3. Tatiane disse:

    Essas dicas são o máximo mesmo Regina, está de parabéns!!!
    Como selecionadora vou deixar uma dica para quem for participar de uma entrevista. Quando perguntarem: – qual o seu defeito? não responda PERFECCIONISMO, isso não “cola”. No fim de cada semana, brincamos e fazemos um ranking de: com quantos novos perfeccionistas nós tivemos contato.
    É claro que sabemos que existem perfeccionistas no mundo e também não utilizamos apenas essa questão para decidir se um candidato está apto ou não para a vaga, em um contexto geral de seleção aquele que não é perfeccionista e relatou seu defeito como tal será delatado por seus comportamentos ou atos, tendo com isso perdido a chance de se auto julgar deixando para que outro o faça.
    Seja sincero no seu defeito, tudo depende do ponto de vista e da vaga pleiteada, se for necessário omita, mas não minta rsrsrsrs

    • Regina Tavares disse:

      Oi, Tatiane. Você trouxe uma dica muito importante para as amadas ou odiadas entrevistas de emprego. Definitivamente, ser perfeccionista virou lugar comum há muito tempo. Quem sabe não falaremos em breve das outras etapas de um processo seletivo. Um forte abraço.

  4. Helena Gasques disse:

    Olá Professora, tudo bemmm?

    Adorei as dicas do curriculo! Acabei melhorando o meu curriculo aqui também..!

  5. Renato disse:

    A professora só responde a quem da-lhe uma bela puxada de saco. Que coisa feia.
    tsc, tsc, tsc :(

  6. Regina Tavares disse:

    Olá,

    Na medida do possível, enquanto os posts estão no ar, tento responder a maioria das colocações. Sinto muito, caso eu não tenha me atentado a algum comentário seu.

Deixe uma resposta

ASSINE O FEED RSS

Acompanhe nosso blog pelo feed

O BLOG

O objetivo central do veículo é estimular o senso crítico e o poder de reflexão de seus leitores sobre temas que transitam entre conhecimentos científico e de caráter geral.

ASSINE NOSSA NEWSLETTER

TAGS